Por que não houve saques no Japão?

Publicado: 31/03/2011 em Minha vida no Japão
Tags:, , , , ,

Muitos leitores brasileiros gostaram de um artigo que o  jornalista Christopher Beam publicou na revista americana Slates do dia 16 de março. Gostaram com toda razão, pois a questão que Beam se propôs decifrar é o que se pode chamar de um enigma embrulhado num mistério: por que não houve saques no Japão desde o tsunami ?

Beam baseou seu trabalho numa entrevista com Mark D. West, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Michigan. West começou por onde você e eu começaríamos: saquear é algo praticamente  impensável na cultura japonesa”; “os japoneses são disciplinados e tem um forte sentimento de colaboração social”, e por aí afora. Mas West observa que explicações desse tipo são redundantes. Por que os japoneses não saqueiam? Porque isso não combina com a cultura deles. E como é a cultura deles? É uma cultura em que saquear é impensável.

Ponto para o professor West. Quando esbarramos num fenômeno difícil de explicar, a primeira coisa a fazer é chutar as obviedades para longe. E explicações culturalistas quase sempre pecam pela obviedade. Em geral elas reintroduzem pela porta dos fundos o que supostamente despacharam pela porta da frente.

West e Beam não negam que os japoneses  tenham as qualidades que geralmente lhes são atribuídas. Também não negam que o comportamento deles tenha sido admirável. Em qualquer outro país, teríamos visto um estouro da boiada: uma horda de ladrões correndo para se apoderar de tudo o que pudesse; e muitos seriam  com certeza ladrões feitos pela ocasião, ou seja, por uma momentânea suspensão de valores morais e pela ausência do policiamento.

Como, então, se explica esse notável comportamento japonês? Para West, ele é resultado de um tripé (e que tripé!):  um sistema jurídico “robusto” + uma forte presença da polícia + organizações criminais bem participativas !

Primeiro, as leis japonesas recompensam a honestidade e prevêem punições severas para a desonestidade. Tome-se como exemplo a questão dos  perdidos e achados: os japoneses são famosos por encontrar e devolver aos donos praticamente tudo o que eles tiverem perdido.

Essa prática é ensinada desde a infância. Se você encontrar um guarda-chuva e o devolver, terá direito a uma comissão entre 5 e 20 por cento do valor dele quando o proprietário vier recuperá-lo; se ele não vier dentro de seis meses, você fica com o guarda-chuva. Portanto, os japoneses são em geral honestos, é verdade, mas são recompensados por o serem.

Segundo, a polícia é bem treinada e bem paga, e cultiva meticulosamente um padrão amistoso de relacionamento com as comunidades. Ela está por toda parte. Nas cidades, há kobans (pequenos postos com um ou dois policiais) a pouca distância um do outro. Uma pesquisa feita em 1992 mostrou que 95% dos residentes  sabiam a localização do koban mais próximo e 14% sabiam o nome de um policial que trabalhava lá.

Mas agora, meu caro leitor e minha cara leitora, preparem seus corações. Vocês sabem o que é crime organizado, não sabem? Gente que vive de extorsão, prostituição, tráfico de drogas e coisas no gênero? Pois então: desde o tsunami, os três maiores grupos organizados do Japão estão ajudando a polícia a patrulhar as ruas. Ajudando a manter a ordem e a evitar assaltos e saques. Dá para acreditar? Não? Então tem mais.

Esses grupos também distribuíram uma montanha  de ajuda humanitária – alimentos, remédios –  e arrumaram alojamento para pessoas extraviadas, inclusive estrangeiros. Um dirigente da Yakuza – um dos três grupos – declarou a um jornalista que, em momentos de crise, não tem essa de Yakuza versus população ou de japoneses versus estrangeiros: “o que há são seres humanos e temos todos a obrigação de prestar ajuda uns aos outros”.

A conclusão de Beam é impecável: nessas horas, uma cultura fundada em sentimentos de reciprocidade e comunidade  ajuda muito, sem dúvida. O que eu estou ressaltando é que, no Japão, esses traços culturais são reforçados por instituições jurídicas, policiais, administrativas etc.

Claro, o contraste entre “cultura” e “instituições” tem suas limitações. Precisa ser feito com cuidado para não virar uma história de qual veio primeiro, a galinha ou o ovo. Sempre se pode perguntar por que um gangster japonês de repente se comove  a ponto de promover ajuda humanitária a milhares de pessoas atingidas pela tragédia.

Não me consta que os traficantes do Rio de Janeiro tenham se preocupado em socorrer as comunidades devastadas pelos recentes desabamentos na região serrana.

Admitamos, porém, que há uma vantagem muito grande em falar de instituições em vez de traços culturais vagamente definidos.Instituições são mecanismos que podemos criar, pôr em prática, experimentar, aperfeiçoar e pôr em prática novamente. Podemos calcular quanto custa implantá-las e mantê-las, de quantos funcionários elas vão precisar no próximo ano etc. Podemos distinguir diferentes tipos de instituição (como fez West, que estudou as leis, a polícia e o crime organizado) e avaliar em separado os seus respectivos custos e beneficios. E, principalmente, podemos cobrar responsabilidades.

No Brasil, permanece vivo o hábito de tudo querer explicar por nossa origem portuguesa, pela colonização, pelas capitanias hereditárias etc.

Supõem-se que por aí podemos entender todas as nossas mazelas (digo nossas mazelas porque raramente alguém recorre a tais conceitos para tentar explicar alguma coisa boa), da preguiça do Macunaíma ao assalto à mão armada; de desatenções e incompetências na administração pública ao clientelismo politico; de malandragens que nos fazem rir a crueldades que nos deixam em dúvida sobre se pertencemos mesmo à espécie humana. Não estará na hora de começarmos a pensar de outro jeito?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s